25.5.17

Saudade é presença de amor

Post dedicado ao Didi e ao Pedro. 

12 anos sem ele...
 
"Não há como negar: sou feito da sua presença e da sua falta. Ambas me constituem, me fazem quem sou. 
Te amo e quero dizer: muito obrigado. Por ter ficado tempo suficiente para me ensinar a ser forte."
(Fragmento de um texto da Cris Guerra.)


"Importa menos o tamanho da nossa dor do que o que realmente decidimos fazer com ela."

24.5.17

Matando (um pouquinho) as saudades!


Passei uns dias em Pelotas, pertinho da minha duplinha amada! 
Henrique ♥  Elisa

Henrique, 7 anos, de cabelo crespinho, jogando basquete e futebol, lendo tudo, deixando os dentinhos de leite para trás!
Elisa, 6 meses, ficando loirinha, aprendendo a sentar e pegar os brinquedos, descobrindo tudo e dando sinais de que os primeiros dentinhos vão aparecer!

Lindos, amados demais!

23.5.17

Sobre nosso momento político


A importância da Lava-Jato
José Padilha

Vinte e sete enunciados sobre a oportunidade de desmontar o mecanismo de exploração da sociedade brasileira

1) Na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do estado e grandes partidos políticos. (Em meu útimo artigo, intitulado Desobediência Civil, descrevi como este mecanismo exploratório opera. Adiante, me refiro a ele apenas como “o mecanismo”.)

2) O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no Legislativo, no Executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

3) No Executivo, ele opera via superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e às empresas estatais.

4) No Legislativo, ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.

5) O mecanismo existe à revelia da ideologia.

6) O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.

7) Foi o mecanismo quem elegeu o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT. Foi o mecanismo quem elegeu José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

8) No sistema político brasileiro, a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.

9) O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele têm poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos.

10) A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que têm valores incompatíveis com a corrupção tendem a ser eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.

11) O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.

12) A maioria dos políticos brasileiros têm baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)

13) A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

14) Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em xeque o funcionamento do mecanismo.

15) Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.

16) A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.

17) Resulta daí que na vigência do mecanismo o Estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.

18) As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.

19) Embora o mecanismo não possa conviver com um Estado eficiente, ele também não pode deixar o Estado falir. Se o Estado falir o mecanismo morre.

20) A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal...

21) Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)

22) A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes rígida, competente e com bastante sorte.

23) Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças politicas e jurídicas contrárias são significativas.

24) O Brasil atual esta sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

25) O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

26) Sem forte mobilização popular é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

27) Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo.

"José Padilha é um cineasta, roteirista, documentarista e produtor cinematográfico brasileiro. Graduado em Administração de Empresas, estudou Economia Política, Literatura Inglesa e Política Internacional em Oxford, Inglaterra.
Em 2007, lançou Tropa de Elite, sua primeira ficção. O filme, que foi pirateado quase dois meses antes da estréia, ganhou grande repercussão e estima-se que 11 milhões de pessoas tenham assistido ao DVD pirata. Nos cinemas, o filme conquistou o maior número de espectadores no Ranking nacional 2007. Em 15 de fevereiro de 2008 ganhou o Urso de Ouro, em Berlim."


Trechos de entrevistas de José Padilha:

"Temer e Dilma foram eleitos com dinheiro de caixa dois e de corrupção, aportado na sua campanha por uma quadrilha que achacou o estado. Desde sempre estiveram ilegais na Presidência da República. Todos nós sabemos disso. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) também sabe."

"A Lava Jato não tem viés político nenhum. É uma operação policial, ponto. Para entender o que está ocorrendo hoje no Brasil, é preciso tirar a cortina de fumaça que nubla os fatos. Existem três processos históricos distintos andando em paralelo e se retroalimentando. A combinação de mal-estar com a economia, revelações da Lava-Jato e a atuação de uma imprensa livre e combativa. Tudo isso produziu algo inédito no país: o andar de cima ficou vulnerável à aplicação da lei. É o que está acontecendo de concreto. Em torno disso, tem muita espuma: a tentativa de transformar um fenômeno de natureza policial e legal num embate político. Toda vez que alguém fala dos indícios avassaladores contra Lula, um petista diz que o PSDB também rouba. Tenta-se transformar tudo numa questão ideológica. Mas tudo é caso de polícia."

"A política no Brasil – nas esferas municipal, estadual e federal – sempre funcionou assim: os partidos elegem seus representantes e indicam pessoas para cargos-chave com poder de contratar serviços públicos. Depois, superfaturam as obras e embolsam um pedaço do dinheiro, que vai para pessoas físicas e o financiamento de campanhas. O PT fez isso em volumes muito maiores – vide a compra da Refinaria de Pasadena. E o caso do PT também é pior porque o roubo sistêmico se soma a um enorme cinismo. Lula, antes, fazia o discurso da ética e da moralidade. Mas, quando chegou ao poder, não só montou seu esquema como levou ao limite da sustentabilidade o assalto a empresas estatais e órgãos públicos. Um político assim só poderia chamar para si mais ódio do que os outros, obviamente."  

Explicação psicanalítica para tantos artistas e intelectuais 
não aceitarem as evidências contra Lula e o PT, segundo ele:

"Quando você constrói uma imagem pública em torno de uma ideologia e assume publicamente posturas a favor de determinado grupo político – vai ao programa eleitoral do PT, abraça o Lula, faz campanha para a Dilma – e depois descobre que estava errado, há duas opções: aceitar seu erro ou fingir que nada aconteceu.
A maioria dos artistas e intelectuais preferiu fingir que nada de errado está ocorrendo com o partido e seus dirigentes. É um mecanismo de defesa psicológica.
 Agora, quando confrontados com o erro que foi acreditar que o PT é um partido e não uma quadrilha, os artistas e intelectuais apelam para dois subterfúgios. O primeiro é afirmar que a presidente Dilma não roubou“como pessoa física”, embora seja evidente que a campanha eleitoral da Dilma foi beneficiada por um propinoduto – disso a Lava-Jato não deixa a menor dúvida. Embora seja grave roubar para si próprio, é ainda pior roubar para fraudar o processo democrático."

21.5.17

Para o frio, lareira

Gosto da combinação de pedra e madeira. 
E gosto muito das janelas que deixam entrar o sol.


Já o tamanho, considero esse ideal.
Aquece mais e dá para assar uma carne, como é costume por aqui.

17.5.17

Inutilidades da vida


"De que me adianta viver 
     sem a inutilidade, 
          sem as gratuidades, 
               sem as façanhas lúdicas, 
                    sem a ternura que canta para acalmar a ansiedade 
                                                               que não quer se dobrar ao tempo?"


Né?

"O fusca te leva ao mesmo lugar que a BMW. Cachorro quente mata a fome da mesma forma que caviar, a água de qualquer praia é salgada como a de Fernando de Noronha. Você só não aproveita sua vida porque quer ter a vida dos outros. Esquecemos que as oportunidades vão embora e só nos resta gratidão pelo que temos. Felicidade é um estado e não um bem material."

16.5.17


Indispensável!


Imagem Pinterest      

Macarrão com brócolis


Receita adaptada e foto: Água na Boca

Ingredientes:
1 pacote de macarrão
1 copo de requeijão
1 cebola
1 maço de brócolis
1 copo de leite
alho
sal
parmesão ralado

Modo de Preparo:
Cozinhe o macarrão e o brócolis separadamente.
Pique o brócolis e misture com o macarrão.
Em uma panela grande frite o alho num pouco de óleo.
Em um recipiente dissolva o leite e o requeijão, mais o sal.
Acrescente esta mistura na panela em que está o alho frito e mexa até cozinhar um pouco.
Jogue em cima do macarrão com o brócolis.
Polvilhe com parmesão ralado.


10.5.17

Em paz

"Uma amiga ficou anos naquele chove-não-molha, que quase todo mundo experimenta na vida. Peguetes que nunca se tornam namorados. Histórias que nunca chegam ao terceiro capítulo. Términos de relações que sequer deveriam ter esse nome. Corações partidos. Gastrites. Dor de corno.

Há alguns meses ela engatou um relacionamento. Sem muito entusiasmo, sem muita expectativa. Sabe como é, né, amiga? Os caras somem.

O tal cara não sumiu. Encontrei os dois dia desses e achei minha amiga bem sorridente, felizinha, soltinha.

Como moramos em cidades diferentes, não tenho acompanhado de perto o desenrolar da história. Hoje, a gente conversava sobre amenidades e eu quis saber sobre o namoro, que ela, até então, sequer tinha coragem de batizar assim.

- Ele me trata tão bem... tô em paz, sabe, amiga?

É isso: a única história de amor que vale a pena é aquela que nos traz paz. A gente demora muito a entender isso."
Mariliz Pereira Jorge

Impermanência

"Quando no mar, me encantavam as conchas. Desde pequena ao colocar um grande búzio no ouvido e, espantada, ver que lá cabia o mar do mundo. Diligente, continuei  catando minuciosamente conchas pela vida. Observando suas formas, cores, classificando-as quanto à beleza. Se porventura apresentassem orifícios causados por um antigo habitante, viravam colar.

Das conchas, estendi-me às pedras. A primeira, que ainda tenho, foi colhida na Argentina. Um seixo escuro, palavra que aprendi  então, com uma incrível faixa branca ao seu redor, como  uma fita de presente, estampada com natural arte rupestre. A partir daí não parei mais.  Uma pedra linda de lago passou a morar ao lado da estrela do mar.

Então, eu era jovem. O mar e eu éramos parecidos. Sempre lá, sempre em diferentes tumultos. E pedras e conchas são eternidades.

Hoje, nas montanhas da vista, me encantam os efêmeros. Diariamente um espetáculo exclusivo! Ah! Não há Cirque du Soleil que me deslumbre mais do que o malabarismo do beija-flor! E aí, percebo que os tomates nascem, e me emociono de verdade. E me encanto com o nascer das flores, lamento a morte das violetas, mas sei que a vida é assim.  O tempo delas é curto como o meu.



Se na juventude a ilusão do pra sempre se confirmava na beleza das pedras e das conchas, e meu coração era instável como o mar, hoje, na maturidade, me identifico com o aqui e agora. Com o voo de um bando de garças, com a corrida dos cães atrás dos bezerros. E me sinto irmã das montanhas fixas e verdes, que a erosão lenta modifica em grandes tempos, assim como eu ao espelho.

Quem nunca ouviu o mar dentro de uma concha perdeu grandes possibilidades da imaginação.
Quem nunca se emocionou com a joia preciosa de um beija-flor sabe pouco da beleza."


Sobre fazer terapia

"Não é fácil lidar com nossas próprias angústias e confusões. 
Nosso pensamento pode ser nosso pior inimigo. 
Nossas mazelas não podem nos definir.
Nosso passado não pode se transformar em futuro. 
Sempre há tempo para modificar o que não se encaixa mais em nossas vidas."

Clarissa Corrêa


“Nosso passado é sempre um peso que a gente carrega”
Calligaris


Por que fazer análise?

"Por uma série de razões: cognitivas, para que alguém tenha uma ideia mais clara do momento em que está, e isso é muito frequente; para alguém se consolar… 
O psicanalista pode ser a única pessoa para quem falamos a verdade. Não dá para comparar com a relação com os amigos, nas quais, de certa forma, você está sempre em uma persona. O terapeuta é alguém ao mesmo tempo íntimo e estrangeiro, desempenha um papel papel único e muito especial. Ele não está lá como um padre, com a função de julgar, perdoar: tem uma certa isenção. Além disso, em uma série de situações limitadas, é possível que a psicanálise sirva para suprimir sintomas desagradáveis. E, em linhas gerais, ela torna mais interessante a vida de quase todo mundo que passa por ela."

"Freud tinha a ideia de que a psicanálise pode levar a pessoa até a beira de um rio, mas, se ela vai atravessar ou não, depende dela. Não há garantias."


Entrevista de Calligaris para a Revista Cláudia na íntegra, neste link.

Em preto&branco ♥


Linda Evangelista by  Steven Meisel / Vogue, 1987    

8.5.17

Idas e vindas








Aniversário do Donairão


Não pude estar presente na comemoração, mas no dia 8/maio já estava de volta, para abraçá-lo!!
A foto, com os netos, recebeu muitas curtidas e comentários! Preciso mostrar para ele!!

4.5.17

Mesa nova!

Desde que viemos morar no Galpão que eu insisto para transformar uma velha porta numa mesa. Até que, finalmente, o Ricardo atendeu meu pedido! 
Pés feitos com pedaços de eucalipto, que caíram no último temporal, alguns pregos, e em minutos a mesa estava pronta.
A-do-rei!


Ricardo e Bolinha em ação!


Do jeito que eu sonhei...

Magia

Para quem não acredita em fadas, fadas deixam de existir. Para quem não acredita no amor, o amor desaparece. Para quem não acredita na amizade, os amigos somem. A vida tem uma magia interessante que requer, antes de qualquer coisa, que a gente acredite."
Vanelli Doratioto 
Aquarela de Alisa Adamsone 
Related Posts with Thumbnails