10.1.17

Né?

"Nos movemos mais pelo que nos falta do que pelo que possuímos!"

Rubem Alves


9.1.17

Alguns pensamentos de Zygmunt Bauman

Sobre identidade e redes sociais
“A diferença entre a comunidade e a rede é que você pertence à comunidade, mas a rede pertence a você. É possível adicionar e deletar amigos, e controlar as pessoas com quem você se relaciona. Isso faz com que os indivíduos se sintam um pouco melhor, porque a solidão é a grande ameaça nesses tempos individualistas. Mas, nas redes, é tão fácil adicionar e deletar amigos que as habilidades sociais não são necessárias. Elas são desenvolvidas na rua, ou no trabalho, ao encontrar gente com quem se precisa ter uma interação razoável. Aí você tem que enfrentar as dificuldades, se envolver em um diálogo [...] 
As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha.” Trecho extraído de entrevista ao El País.


Sobre consumo e poder de escolha
“Numa sociedade sinóptica de viciados em comprar/assistir, os pobres não podem desviar os olhos; não há mais para onde olhar. Quanto maior a liberdade na tela e quanto mais sedutoras as tentações que emanam das vitrines, e mais profundo o sentido da realidade empobrecida, tanto mais irresistível se torna o desejo de experimentar, ainda que por um momento fugaz, o êxtase da escolha. Quanto mais escolha parecem ter os ricos, tanto mais a vida sem escolha parece insuportável para nós.” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida.


Sobre o sofrimento mediado pelo consumo
“Algum tipo de sofrimento é um efeito colateral da vida numa sociedade de consumo. Numa sociedade assim, os caminhos são muitos e dispersos, mas todos eles levam às lojas. Qualquer busca existencial, e principalmente a busca da dignidade, da autoestima e da felicidade, exige a mediação do mercado.” Trecho extraído do livro Vida Líquida.


Sobre redes sociais e privacidade
“Os adolescentes equipados com confessionários eletrônicos portáteis são apenas aprendizes treinando e treinados na arte de viver numa sociedade confessional – uma sociedade notória por eliminar a fronteira que antes separava o privado e o público, por transformar o ato de expor publicamente o privado numa virtude e num dever público (…)” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida.


Sobre globalização e uma humanidade interligada
“Nós somos responsáveis pelo outro, estando atento a isto ou não, desejando ou não, torcendo positivamente ou indo contra, pela simples razão de que, em nosso mundo globalizado, tudo o que fazemos (ou deixamos de fazer) tem impacto na vida de todo mundo e tudo o que as pessoas fazem (ou se privam de fazer) acaba afetando nossas vidas.” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida.


 Sobre a pós-modernidade globalizada
“Na hierarquia herdada dos valores reconhecidos, a ‘síndrome consumista’ destronou a duração, promoveu a transitoriedade e colocou o valor da novidade acima do valor da permanência.” Trecho extraído do livro Vida Líquida.


Sobre relacionamentos em um mundo individualista
"Em nosso mundo de furiosa individualização, os relacionamentos são bençãos ambíguas. Oscilam entre o sonho e o pesadelo, e não há como determinar quando um se transforma no outro. Na maior parte do tempo, esses dois avatares coabitam - embora em diferentes níveis de consciência. No líquido cenário da vida moderna, os relacionamentos talvez sejam os representantes mais comuns, agudos, perturbadores e profundamente sentidos da ambivalência." Trecho extraído do livro Amor Líquido.



Colagens em gravuras do Google.

4.1.17

Levezas


Do Facebook.

Arte, para inspirar





          "Amor, 
          amar só se aprende com o tempo. 
          O tempo de transformar, refazer, compreender e, acima de tudo, aceitar. 
          Aceitar, de fato, não é conformar-se. 
          É confirmar-se na sabedoria de que, aceitando, podemos fazer diferente."


*Evelyn Pestana

Não esqueça


Cada vez mais esta frase faz sentido, para mim.
Não adianta clamarmos por paz, honestidade, gentileza, respeito, se não colocarmos tudo isso em prática na nossa vida, na nossa intimidade.
Menos discurso, mais prática, e o mundo começa a mudar...

Cuidados



Selecionei algumas fotos, no Pinterest, sem saber bem o motivo. Simplesmente porque achei bonitas, agradáveis de se olhar. Então me dei conta que me identifico com elas: gosto de variar as toalhas, na mesa, enfeitar tudo com flores, encher a casa de almofadas, arrumar a mesa com cuidado. Mesmo que minhas toalhas sejam velhinhas, as flores, do campo, a louça simples. Não importa. Vale pelo acolhimento, pelo aconchego, pelo bem-estar. Recomendo. Faz todo a diferença, no nosso cotidiano. Muda o clima. Faz bem para a alma.

3.1.17

Vivenda de sonho

Lima, Peru






Detalhes do projeto nesses endereços:


Camarão Gratinado no Abacaxi

Ingredientes:
1 embalagem de 200 ml de leite de coco
1 1/2 kg de camarão médio
sal e caril (curry) a gosto
1/2 colher de chá de pimenta moída
3 dentes de alho amassados
1 colher de sopa de manteiga
1 abacaxi
1 cebola média ralada
1 colher de sopa de farinha de trigo
castanhas e gergelim torrado para polvilhar

Modo de preparo:
Limpe e tempere o camarão com o sal, a pimenta, o caril e o alho. Deixe tomar gosto por 2 horas. Salteie o camarão na manteiga até ficarem cor de rosa. Reserve.
Corte os abacaxis em dois, no sentido do comprimento. Cave-os, deixando cerca de 1cm de polpa junto à casca. Pique a polpa que foi retirada e reserve. Leve as metades do abacaxi ao forno pré-aquecido bem quente, para começarem a secar um pouco. Refogue a cebola com a manteiga, junte a farinha, mexendo até dourar. Adicione o leite de coco (reserve 2 colheres) e o abacaxi, previamente picado, aos poucos, mexendo sempre. Acrescente o camarão reservado e tempere com o sal. Recheie as cascas do abacaxi, pincele com o leite de coco reservado e polvilhe com as castanhas crocantes e o gergelim torrado. Volte ao forno para gratinar.


Camarões com leite de coco, cobertos com crocante de castanhas de caju e gergelim torrado.
Fotos, meramente ilustrativas, do Pinterest.

2.1.17

Primeiro dia do ano

Euzinha aprendendo a usar a câmera do celular..
Pois é. Até então usava um modelo antigo, sem câmera nem internet.
Simplesmente optava por não estar conectada o tempo inteiro.
Me rendi.
Agora tenho Instagram e Whatsapp! Que modernidade! Hahahha!

31.12.16

Final de dezembro... e de 2016!

"O segredo do tempo não está nos minutos que passam, 
está nos momentos que ficam".

Muito calor, muitas viagens, muito trabalho e esse final de dezembro passou correndo!
As fotos de comida são para comemorar um mês inteiro de vida saudável: nadinha de pães, doces ou bebida alcoólica. Com direito à trégua, no final de ano, claro!
No ano que vem, muitas mudanças! Que sejam boas, que tudo dê certo!
Related Posts with Thumbnails