30.9.14

A nossa falsa eternidade

"Deve ser por isso que fico (ficamos todos, acho) tão abalados quando, sem nenhuma preparação, ela acontece de repente. E então o espanto e o desamparo, a incompreensão também, invadem a suposta ordem inabalável do arrumado (e por isso mesmo 'eterno') cotidiano. A morte de alguém conhecido e/ou amado estupra essa precária arrumação, essa falsa eternidade. A morte e o amor. Porque o amor, como a morte, também existe - e da mesma forma, dissimulada. Por trás, inaparente. Mas tão poderoso que, da mesma forma que a morte - pois o amor também é uma espécie de morte (a morte da solidão, a morte do ego trancado, indivisível, furiosa e egoisticamente incomunicável) - nos desarma. O acontecer do amor e da morte desmascaram nossa patética fragilidade." (Caio F. Abreu)
* Do Face da Lídia.

Link

Passei muitos dias sem postar, porque às vezes se estabelece um vazio. Coisas acontecem que precisamos de tempo para entender e assimilar. A morte, tão certa para todos nós, sempre surpreende, nos causa estranheza e dor. É isso.

3 comentários:

loja de bebê online disse...

que lindo!

Anônimo disse...

A vida nessa terra tem momentos de felicidade em meio às lutas da sobrevivência. Mas como sobreviver sem amor?
Luiz Henrique

Minha vida de campo disse...

Essa é a unica certeza que temos da vida, mas a vida nos dá muitas coisas boas. Coloca em nosso caminho pessoas maravilhosas, mas é por um tempo por isso devemos aproveitar pois o que fica depois da morte são as boas lembranças. Não fique triste lembre dos bons momentos.
Bjos tenha uma ótima semana.

Related Posts with Thumbnails